Globo é condenada a pagar R$ 3,2 milhões para cinegrafista por hora extra

Globo é condenada a pagar R$ 3,2 milhões para cinegrafista por hora extra
reprodução Instagram: Cleber Schettini em evento que cobriu pela Globo

Em processo que corre na Justiça do Trabalho, a Globo foi condenada em duas instâncias a pagar uma indenização de R$ 3,2 milhões para o cinegrafista Cleber Schettini do Rosário. O profissional, que trabalhou na emissora durante 46. anos, entrou com a ação por entender que tinha direito a receber horas extras e outros direitos trabalhistas referentes ao tempo que prestou serviços para a empresa.

O caso ainda não transitou em julgado.

O cinegrafista Cleber Schettini cravou seu nome na história do Esporte da emissora, com dez Copas do Mundo e nove Jogos Olímpicos no currículo. A sua trajetória, inclusive, tem registro no Memória Globo, site dedicado aos profissionais e programas que se destacaram na líder de audiência.

O repórter saiu da empresa em fevereiro de 2018. Naquele mesmo ano, ele entrou com a ação na Justiça do Trabalho. A defesa do cinegrafista alegou que ele fazia horas extras e tinha jornada noturna, aos domingos, mas que não recebia os pagamentos totais referente ao trabalho.

Schettini não batia ponto e tinha jornada flexível, algo que a própria Globo admitiu. O profissional também reclamou na Justiça sobre o intervalo de pausa de apenas 30 minutos, sendo que o correto seria de uma hora.

A matéria completa você pode ver no "notícias da tv", por Daniel Castro, em matéria feita por Vinícius Andrade e Li Lacerda. CLIQUE AQUI e confira.

Cleber Schettini e Pedro Bial durante cobertura esportiva para a Globo; cinegrafista processou a emissora